Primeira vez na casa de swing

Anúncios

Descobrindo o orgasmo feminino

Chegar ao orgasmo pode não ser fácil. Muitas mulheres sofrem e, às vezes, até acham que têm algum problema. Porém, a questão pode ser mais simples, como relaxar na hora H, por exemplo.

orgasmo

1. O que pode dificultar o alcance do orgasmo?

Em primeiro lugar, ansiedade, preocupações excessivas e baixa autoestima. Traumas sexuais prejudicam (e muito!) o prazer em ambos os sexos. Problemas vasculares, na tireoide, depressão e o uso de certos medicamentos também podem atrapalhar o alcance do prazer durante a transa.

2. Por que muitas mulheres têm dificuldade em sentir prazer?
A falta de conhecimento do próprio corpo aliada à rapidez no ato sexual pode ser uma das causas da dificuldade em se atingir o orgasmo, uma vez que a mulher precisa de um tempo para relaxar e se excitar. Existem também problemas físicos como fibrose vaginal, vaginismo, cistos, infecções urinárias, entre outros, que podem acarretar dor durante a relação e atrapalhar o alcance do prazer.

3. Todas as mulheres são capazes de atingir o orgasmo?
Sim. Para isso, é fundamental relaxar durante as preliminares e se soltar durante o ato sexual. Uma dica é deixar os problemas do dia a dia de lado e se concentrar no momento que está vivendo.
4. As mulheres ejaculam?
Não. As mulheres possuem glândulas na vagina que liberam um líquido lubrificante que facilita a penetração. Quando ela está muito excitada, esse líquido pode ser liberado em grandes quantidades, deixando-a excessivamente “molhada”.

5. O que fazer para prolongar o orgasmo?
O orgasmo é uma consequência do desejo e da excitação. Quanto maior o estímulo, maior será o prazer. O simples fato de transar com quem se ama ou deseja produz um envolvimento que pode levar ao prazer. O casal deve sempre conversar a respeito do relacionamento para construir um erotismo prazeroso e duradouro.

6. Como abordar a falta de prazer com o parceiro?
O casal deve buscar o prazer em conjunto, assim, a melhor opção é investir no diálogo e abrir o jogo quando algo estiver atrapalhando. Uma conversa sincera será capaz de indicar novas possibilidades para o alcance do orgasmo, pois você terá a chance de revelar seus pontos erógenos e o que mais lhe agrada na cama.
7. O que é ponto G?
O ponto G é a região mais sensível do corpo da mulher. Ele fica a aproximadamente 5cm da entrada da vagina, possui o formato de uma moeda e textura diferenciada. Para explorá-lo, coloque o dedo dentro do órgão e tateie a parede vaginal na parte da frente.

8. Existe mais de um tipo de orgasmo feminino?
Sim. A mulher pode ter orgasmo clitoriano (após a estimulação do clitóris, sem que haja necessidade de penetração) ou orgasmo vaginal (que acontece durante a penetração). O alcance do prazer também pode ocorrer pela estimulação oral ou anal.

9. Dá para ter mais de um orgasmo na mesma transa?
Sim, isso é chamado de orgasmo múltiplo. Mas, para que isso ocorra, é necessário que haja um forte desejo sexual e que a sintonia entre o casal esteja bastante alinhada. Não há necessidade de se cobrar (e nem de cobrar o parceiro) caso isso não aconteça. Para tentar obter mais de um orgasmo durante a mesma relação, ambos devem estar dispostos a dar e sentir prazer, sem ter pressa durante a transa, inclusive depois do primeiro orgasmo.

10. Por que algumas mulheres não encontram o prazer na juventude?
Na juventude, a mulher pode ter vergonha de conversar com o parceiro sobre o que lhe desagrada na cama e correr o risco de parecer inexperiente. Assim como nas outras áreas da vida, a imaturidade proporciona menos segurança para encarar os problemas, inclusive os de caráter sexual.

11. Por que quando a mulher conhece seu corpo fica mais fácil ter prazer?
A mulher conhece seu corpo através de carícias, pela masturbação ou pela participação do parceiro em preliminares mais prolongadas. O orgasmo é uma consequência e a sexualidade é muito mais ampla do que a penetração.

12. O que fazer para se soltar na hora H?
Apesar dos inúmeros avanços na discussão da sexualidade, a inibição é muito comum. A primeira dica é se conhecer melhor, tentando descobrir quais partes de seu corpo, ao serem tocadas, aumentam o seu prazer.

13. É possível algumas mulheres terem orgasmo e não saberem identificá-lo?
A intensidade do orgasmo está relacionada ao conhecimento do próprio corpo. Na primeira relação sexual, ansiedade e inexperiência podem influenciar no reconhecimento da sensação orgástica. Com o tempo a mulher pode intensificar esse prazer e ter orgasmos pela estimulação do clitóris, ânus ou penetração vaginal.

14. O que acontece com o corpo da mulher quando ela está excitada?
O corpo feminino fica a todo vapor quando a mulher está excitada. Nessa hora, o útero se acomoda para receber o pênis e as trompas iniciam movimentos regulares em direção à cavidade abdominal. Isso ocorre para facilitar a chegada do sêmen ao útero, permitindo a fecundação. Paralelo a isso, há ainda contrações dos músculos da vagina e um aumento das batidas do coração e da temperatura corporal.

15. Afinal, o tamanho do pênis interfere ou não no prazer da mulher?
A grande maioria adapta-se ao tamanho de quase todas as vaginas. Há um certo mito em torno do assunto, pois alguns homens fazem comparações. O prazer feminino depende muito de emoção, afetividade e preliminares. Raramente as queixas dizem respeito ao tamanho do pênis do parceiro.

16. É normal perder a vontade de transar na menopausa?
É comum tanto o aumento quanto a diminuição do desejo. A falta ou o desequilíbrio de hormônios reduz a libido, o que pode causar esse desinteresse. Procure orientação de um ginecologista ou endocrinologista, pois existem alternativas para isso.

17. Como aumentar a lubrificação vaginal naqueles dias “secos”?
Utilize lubrificantes à base de água, vendidos em farmácias ou sex shops. Mas se esses “dias secos” persistirem, o ideal é você procurar orientação de um médico.

18. Existe algum remédio que a mulher pode tomar para aumentar o tesão?
Não há um remédio específico para o aumento do desejo. Se o problema é a ausência dele, pode ser por fatores hormonais, aspectos emocionais como o estresse, ou decorrentes de insatisfação com o parceiro. Existem fitoterápicos à base de uma erva chamada tribulus que prometem elevar os níveis de testosterona. Converse com um especialista sobre o assunto.

19. O estresse afeta a intimidade do casal?
O estresse faz parte da vida de todos e é preciso saber lidar com isso, já que a ansiedade atrapalha o desejo sexual. Uma reação química pode impedir a lubrificação e a ereção.

Hora de colocar em prática!
Bons orgasmos pra você

O cú do treinador

Oi pessoal. Chamo-me Paulinho, e tenho 16 anos. Sou alto, meio moreno, cabelos lisos e pretos, tenho um peitoral bem definido – faço academia. Ah, sem falar que muita gente me chama de Paulinho popô, pois eu tenho uma bunda enorme! E outra também é enorme, que mede 18 cm. Vou contar pra vocês uma história épica que aconteceu em minha vida. Que, sem dúvida, foi à melhor relação amorosa que eu tive, e foi com um homem. Meus pais são divorciados. Eu moro com a minha mãe, e, graças a Deus, eu sou filho único. Meu pai mora em uma cidade bem pertinho da minha, e por isso eu passo os fins de semana com ele. Mas me deixa começar mesmo a história. Já vou contando que é curta, então nem precisa ficar enrolando, e enrolando… No começo do ano, em Janeiro, fui passar as férias na casa do meu pai. Ele mora só, então é fácil de viver lá, pois tudo é como eu gosto. Como nós gostamos. Tudo bagunçado. Cuecas no chão, roupas no chão, a cama desforrada, panelas sujas… Espaço pra homem mesmo. Mas eu não me considero um homeeeem, e sim um adolescente. É certo que eu, antes disso, tinha várias namoradas, ficantes, paqueras… Mas depois de um dia… Eu mudei totalmente a minha opção sexual! Em janeiro, fui passar as férias na casa do meu pai. E eu amava ficar lá com ele. Por quê? Por que nós sempre tivemos uma relação aberta, sem medo, sem malandragem. Nós tomávamos banhos juntos, nós ficávamos pelados, eu usava suas cuecas, ele usava as minhas… E por ai ia. Eu sempre fazia academia pela tarde, mas parei a pedido do meu pai. Ele me dizia que aquilo fazia mal, que aquilo era ruim pros músculos, e que deixava a rola pequena. Então eu decidi parar, pois eu já tinha um tanquinho… Pra me ocupar, o meu pai decidiu me colocar em um treino de futebol, todas as tardes. Eu não era apaixoooonaaaado por futebol, mas sempre acompanhava o Barcelona, que é o meu time do coração. Comecei a ir aos treinos e uma novidade pra mim veio à tona. E o que era? A minha sexualidade. Comecei a ir aos treinos todas as tardes, e fiz muitas amizades. Mas uma coisa que me encabulava era o jeito que o treinador olhava pra mim. Era um olhar diferente. Um olhar safado. E quando ele me olhava, ficava pegando no seu pênis, virando à bunda… Querendo oferecê-la pra mim. Sempre percebi e deixava quieto. Era opção dele, ser gay. Como eu já disse, sempre observei o jeito dele de me olhar, mas eu ignorava, pois não queria ter um intercurso sexual com um homem. Outra coisa que encabulava, era o vestiário. Todos os meninos tomando banho na mesma sala, todos pelados… Eu não curtia muito isso. Certo dia, o treinador estava diferente. Ele fez um treino bem pesado conosco e nós ficamos morrendo de cansaço. Ele disse aos meninos pra irem tomar banho no vestiário do setor B, e depois irem pra casa. Ele, quando acabou o treino, disse pra mim:

– Quero conversar com você, agora! Na minha sala.

Fiquei curioso pra saber o que era. Segui-o até sua sala. Eu estava pingando de suor, e tudo o que eu mais queria era tomar banho. Ele trancou a porta de chave e colocou dentro do seu short. Ele disse:

– Pra você sair daqui, vai ter que pegar!

Olhei estranho pra ele. Sabia que ele gostava de homem, mas eu não queria fazer nada com ele, pois eu tinha opção sexual diferente dele. Eu disse:

– Tá me estranhando, treinador? Dá-me essa chave.

Ele tirou sua camisa e deixou a mostra o seu peitoral peludo e malhado. Ele me agarrou e tampou minha boca. Abraçou-me forte. E eu fiquei parecendo uma agulha perto daquele homenzarrão. Ele começou a dar beijos, cheiros em meu pescoço suado. Ele sussurrou ao meu ouvido esquerdo:

– Ah, há quanto eu esperei por esse momento – falou aos delírios.

Ele me pôs no braço e me colocou sentado na cadeira principal de sua mesa. Eu não estava entendendo nada do que estava acontecendo. Mas resolvi deixar, aquilo estava me dando prazer. Eu fiquei sentado na cadeira e ele se ajoelhou. Começou a passar a mão em meu peitoral suado e depois no meu rosto, e logo em seguida no pênis. Ele puxou meu calção e começou a me masturbar com sua mão esquerda, e com a direita continuou passando em meu peitoral. Ele, logo em seguida, começou a passar sua mão, delicadamente, em meus pelos púbicos, e depois em meus ovos… Eu já estava ao meu máximo de excitação, então eu pedi, com a voz mais prazerosa possível: “Chupa. Põe na boca.”

Não sei de onde saiu, mas aquilo estava tão bom, que eu não resisti. Ele olhou pra mim e deu um sorriso lindo, e começou a chupar meu pau. Não é possível nem explicar o que eu senti naquele momento. É inexplicável. A melhor coisa do mundo foi aquilo. Eu sentado, todo aberto, e ele ajoelhado me chupando. Peguei firme em seus cabelos e puxei-os pra cima e pra baixo, o fazendo chupar mais, pra me dar mais prazer. Ele, direto, ficava se engasgando, soltando muito cuspe no meu corpo suado e delicioso. Levantei-me e ele continuou me chupando, só que em pé, que é ainda mais prazeroso. Depois, ele me ofereceu o seu cu e eu quis comer, é claro. Arranquei fora o seu calção apertadinho e mandei-o ficar de quarto. Mas eu peguei a chave do seu calção e destranquei a porta, pra alguém nos pegar… Ele jogou tudo o que tinha em cima da mesa no chão, e subiu, ficando de quatro pra mim. Segurei firme no meu pau e meti tudo naquele cuzinho bem apertado. E era uma delícia. Comecei a meter bem forte naquele cu e ele começou a gemer bem forte, me pedindo mais, mais rola no cuzinho dele:

“AI, METE MAIS, VAI, TÁ GOSTOSO, ISSO, MEU ALUNO, METE MAIS, VAI, METE MAIS PAULÃO, MAIS, OOORH, AAARH, QUE DELÍCIA, OOOORH VAAAI, METE, POR FAVOR, METE MAIS, NÃO PARA, VAI MEU MACHO…”

Isso e muito mais coisas. Ele tava gritando bem alto. E aquilo me deixava com mais prazer, com mais orgulho de estar comendo um ‘frango’. Eu me deitei e ele se sentou no meu pau, virado pra mim. Fiz um “V” com as pernas e segurei firme na sua cintura, fazendo os movimentos certos naquele cuzinho esplêndido. Eu comecei a dizer:

“PULA, MEU MACHO, ISSO, PULA, VAI PROFESSOR, PULA NA MINHA ROLA, PULA NA MINHA ROLA, ME FAZ GOZAR NO SEU CU, VAI, DELÍCIA, PULA, CAVALGA, ISSO, AI, VAI, TÁ QUASE SAINDO LEITINHO, ISSO, ME FAZ GOZAR PROFESSOR, VAI MEU MACHO, MEU GOSTOSO, ISSO, O SEU CUZINHO É ÓTIMO, BEM APERTADO, ISSO… CONTINUA PULANDO, NÃO PARA, VAI…”

Aquilo estava ótimo, até que ele começou a rebolar em mim, e eu senti uma coisa que nunca havia sentido. Meu pau começou a sair aquela babinha transparente. Eu estava louco de excitação. E então eu olhei pra porta e vi que tava aberta. Havia um aluno nos espiando… Observando a cena.

O professor saiu de cima de mim, eu fiquei em pé e ele se ajoelhou, fazendo um boquete top. Olhei bem pro aluno, que estava se masturbando na porta e chamei-o com a mão. Ele fechou a porta, entrou e tirou seu pau, que já estava duro. Fazendo o professor chupar dois paus ao mesmo tempo. Ele chupou muito o meu, e eu gozei em sua cara, que saiu muuuuuuuita porra. Nós três tomamos banho e fizemos um sanduíche. Eu comendo o tio e o tio comendo o menino. Mas isso ai já é outra história, talvez eu conte.

Transas com papai e mamãe

Ekaterina é meu nome, com ele minha ascendência russa fica evidente, porem todos me chamam de Cátia. Tenho 20 anos, universitária.

Sou ruiva, 1,85m, corpão, todos me acham bonita. Eu morava com meus pais, Yuri e Irina, a faculdade é em outra cidade, vivo sozinha num apê alugado.

No ambiente escolar, fiz amizade com Claudia, mulata linda, 1,78m, tornamo-nos íntimas, nos apaixonamos, relacionamo-nos sexualmente, decidimos juntar nossos trapos. A reação de nossos pais não foi amistosa, os meus declararam-se contrários a nossa união, doravante limitaram-se a mandar apenas minha mesada de subsistência, os de Claudio foram ainda mais radicais, cortaram todo auxílio financeiro.

Com isso, ficamos em grande penúria, buscamos uma forma de ganhar dinheiro. Empregos no comércio, pouco dindim, muito trabalho, dificuldade de compatibilizar com os horários da faculdade. Um colega nosso, numa cantada, deu-nos a pista da solução: “vocês duas juntas dão tesão em morto”. Pensamos: tesão não nos falta, não somos lésbicas xiitas, gostamos de uma boa pica, porque não usarmos nossos buracos para fazer dindim?

Procuramos puteiros, nos oferecemos. Fomos aceitas, nos expondo só de tapa sexo, chupando, engolindo, dando a buceta e o cu. Meu pudor tentou se opor, mandei-o passear. A primeira noite, fomos “vestidas” de tapa sexo, descalças, para um palco, eu um pouco encabulada, rebolei, procurei exibir em destaque minha buceta e meu cu, logo um garotão me chamou, conversamos, subimos para o quarto, nua diante de um estranho, o tesão superou o pudor, cai de boca no belo pau, levei na buceta, já estava sentindo falta, depois no cu, doeu um pouco mas que orgasmo, ser puta até que é bom.

Um gostoso banho frio, no palco novamente, um senhor me chamou, tive de me empenhar para faze-lo gozar, a custo esporrou na minha boca, engoli tudo, ele adorou, me deu uma gorjeta. Banho e palco. Dancei, dei ênfase em exibir meu cu, outro fodedor, esse dos bons, bolinou-me com maestria, esporrou no anus, fui pra o banho com a esperma descendo pelas pernas.

Até o fim da noite foram 5 fodas, Claudia trepara com 4, um bom dindim, voltamos para nossa casa, 0:30 h , compramos cigarros, estávamos sem fumar a dias, por falta de dinheiro. Nos vestidas discretamente, com a roupa que dispúnhamos, as outras rameiras semi nuas, roupas ousadíssimas. No dia seguinte, saímos da faculdade para as compras, gastamos o que ganháramos com nossos buracos adquirindo roupas bem de puta. Naquela noite, nossa segunda como prostitutas, saímos do puteiro bem despidas, não deixando dúvidas a respeito de nossa profissão.

Dias se passaram, cada uma curtindo de 4 a 5 fodas por noite, situação financeira resolvida, um problema: meu apê, agora morada minha e de Claudia, era num prédio família, nossa chegadas na madrugada e roupas, incomodavam a vizinhança. Conseguimos um apartamento mais barato, um pouquinho mais distante da faculdade, em contrapartida quase vizinho do puteiro e, maravilha, próximo da praia.

Mamãe me telefonou, como vais filha? mãe, sou puta, moro com Claudia, vou muito bem na faculdade, posso mudar para outro apê, é mais barato. Teu pai vai ai, viraste puta, fala com ele. Preparei-me para a tempestade, em casa vivíamos nuas, recebemos meu pai vestidinhas, duas santinhas. Ele chegou, cumprimentou a mim e à Claudia, sentou-se à mesa, foi direto: Cátia, sua mãe me disse que você e sua amiga se prostituem a noite, confirmas? Sim papai. Essa é a razão de quererem mudar? Chegamos muito tarde, roupas ousadas, a vizinhança reclama. O apê pretendido fica perto da faculdade? Uns 4 quarteirões mais afastado que este, muito próximo do puteiro onde trabalhamos e pertinho da praia. Qual a vizinhança? maiormente universitárias, piranhas como nos. Você e sua amiga estão gostando de ser putas? Para ser franca, estou adorando. Claudia acenou concordando. Vamos ver o apê. Fomos. Papai conversou com o dono, alugou-o. Voltamos.

Surpresa, papai me perguntou, vocês estão muito santinhas, vocês andam em casa vestidas assim? Como se apresentam no puteiro? Quisemos te dar boa impressão, em casa andamos nuas, nos oferecemos de tapa sexo e mais nada. Por favor, fiquem como de hábito. Ficamos, encabulei um pouco, pelada na frente do velho.

Yuri falou: quero te ver trabalhando, vou a teu puteiro hoje a noite. Claudia dirigiu-se a papai: senhor, estou encantada com sua atenção à sua filha e a mim. Gostaria de lhe agradecer tendo uma relação sexual consigo.

Papai respondeu: aceito sua oferta, garotas, hoje a noite , no puteiro, as duas comigo.

Foi uma noite de sonho, uma foda a três com papai e Claudia, bocas, bucetas e cus preenchidas pela pica de Yuri.

Na saída, ele me deu um recado: outra noite volto com tua mãe, topas? Já estou com tesão paizão.

Mudamos, de manhã moças sérias na faculdade, nas folgas praia, seminuas em nossos fio dental, a noite putas .

Mamãe telefonou: Yuri me contou sobre você e “tua marida”, boas estudantes, melhores rameiras. Vou te contar um segredo, tua mãe foi prostituta, casei com teu pai, engravidei de você, me dediquei a te criar e a Yuri, quero ter uma noite de minha juventude, trepando contigo e tua “marida”. Outra noite memorável, Uma orgia a quatro, com direito a tudo, como é bom ser filha da ex-puta e ser também piranha.

Um ano se passou, eu e Claudia aprovadas na faculdade, eu, a puta, atendi a 940 clientes, fiz de tudo que uma mulher da vida pode fazer, meu casamento lésbico um sucesso, felicíssima, relações ótimas com meus pais.